Dizimar ou Ofertar?

Esboço para um debate animado em um grupo doméstico ou Escola Bíblica

"Fui a uma conferência sobre libertação financeira e me senti desafiado. Tenho ofertado para a igreja, para um orfanato e para um centro de reabilitação, tudo somado corresponde a 10% de minha renda LÍQUIDA. Disseram-me que não estou dizimando do total. Nunca examinei minha renda BRUTA e tenho que admitir que isto me assusta. Como eu poderia dar 10% de minha renda BRUTA? Tenho que incluir nos meus cálculos a pensão e o salário família que recebo já que são pagos para as crianças? Quero ter certeza de que estou agindo certo em minha obediência, sendo assim, inspirarei profundamente para dar um enorme passo de fé!"

OK, é uma questão difícil, do tipo que tem mais de uma resposta e todas elas estão corretas, dependendo do pregador ou do mestre que você ouve. Conheço o que muitos mestres e pastores dizem sobre dízimo da renda bruta ou líquida e é muito bom. Eles simplesmente perguntam se você quer ser abençoado na renda líquida ou na renda bruta? A seção da Escola de Economia neste site fala de coisas muito similares a estas, e vai mais além do que alguns passos, e mais ainda, fala sobre o que o autor vive e sobre o que ele prega. 

Só entre mim e você. . .

Extra-oficialmente e só entre mim e você, e isto não é "a palavra do Senhor". Não sou muito entusiasta em dizimar e vou contar-lhe o porquê. É por ser definitivamente uma prática do Velho Testamento até o tempo de Jesus, sem dúvida. A única duvida é quantas pessoas além dos Fariseus na verdade o fizeram, daí, a reprimenda do Senhor em Malaquias 3:8 de que Ele estava sendo roubado. 

Leia Malaquias 3, pelo menos para receber as promessas muito reais para as pessoas que fazem aquilo que devem. Dizimar é sem dúvida um princípio do Novo Testamento que foi levado para as novas igrejas, mas existem poucas referências no Novo Testamento para nos contar mais sobre o que os crentes primitivos realmente fizeram. Era uma prática esquecida, assim ninguém se importou em mencioná-la, ou era uma prática tão comum que não valia a pena mencioná-la? 

Para mim, o problema é que se você entrar nas questões do bruto versus líquido e meticulosamente somar o salário família, as devoluções do cartão de crédito, os pontos do supermercado, os cupons dos postos de gasolina e todo o resto, logo correrá o perigo de transformar a sua alegria de dizimar em um imposto eclesiástico cuidadosamente calculado, que de alguma forma serviria para agradar ao Senhor. E em conseqüência, você se achará como os fariseus que dizimavam de cada semente, mas se esqueciam das questões importantes da misericórdia, amor e justiça.

Em minha humilde opinião, que bem pode estar errada, o modelo do Novo Testamente promove o seguinte:

1. O fato de que tudo pertence a Jesus

Não 10%, não 20%, não 90%, Ele tem o direito soberano para pedir por tudo. (1 Cor. 6.19) Então tudo também pode ser rendido a Ele, em oração desde o princípio e freqüentemente, e sendo assim concordar com cada convicção testada para dar, que vem do Espírito Santo (não necessariamente de pregadores visitantes, veja II Coríntios 9:7 na Mensagem).

Nunca me esquecerei de um dos mais conhecidos televangelistas contando, em um momento descuidado, a Miguel Diez, o fundador da Remar, que cuida de 36.000 pessoas de graça em 52 nações, de como ele e outros davam 10% de suas rendas para a igreja e 10% para as missões. Miguel Diez simplesmente lhe perguntou por que era que ele retinha tanto do Senhor, para o que não houve resposta. Ele ficou simplesmente sem argumentos.

2. Dar, alegre e extravagantemente à causa de Cristo

Seja para missões, para os pobres ou para a manutenção da igreja e de seus obreiros (II Coríntios 9:6-15). Agora vejo o dízimo como uma parte da doação prazerosa, mas dar certamente não começa e termina com uma oferta de 10% para uma igreja local além da obrigação ou sob pressão pelas exigências para ser membro, de forma alguma. 

"Porque, no meio de muita prova de tribulação, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade. Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente. Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus." ( II Coríntios capítulos 8 e 9) 

Pessoalmente sinto que dizimar como uma parte obrigatória de seguir a Jesus não é uma boa notícia para os pobres do mundo que literalmente contam cada último centavo. Entretanto para os ricos, dizimar é de fato uma boa notícia porque pagam o que devem e não sentem falta por um momento sequer de 10% de um salário de $100.000 ou mais, especialmente se recebem isenção de impostos por causa das doações. 

Do mesmo modo sei que quando doamos, Jesus nos promete que muito mais nos será devolvido, e nesta promessa está a semente que leva a colheita ao homem pobre, mas no entanto sinto que algo está faltando aqui. É da forma, não como a de Jesus, para exigir exatos 10%, da forma que para mim carece dos ritmos não rígidos da graça e da alegria. 

Você faz bem em começar a ofertar através do dízimo. . 

Se você for dizimar meticulosamente, é obvio que fará bem desde que isto faça parte do quadro maior, e que você não caia na arapuca do pensamento legalista e simplesmente pague uma taxa de 10% para a igreja. Isto será triste, oneroso e desastroso. Dirija-me a Deus com todos os seus dados concretos e veja como Ele lhe guiará, assim poderá inspirar profundamente e segui-lO. Maria agiu corretamente em João 2:5 quando disse, "Fazei tudo quanto ele vos disser."

Les Norman
O fundador da Fundação DCI
Apoio Global para o mundo missionário desde 1985

Share Button

Também disponível em: Inglês Francês Espanhol Indonésio